Blog

O que você não sabia sobre divulgação de serviços jurídicos na internet

O que você não sabia sobre divulgação de serviços jurídicos na internet

Se você já acompanha os nossos conteúdos, certamente não têm dúvidas sobre como o marketing jurídico pode impulsionar os seus resultados na advocacia, não é mesmo? No entanto, não estamos falando aqui de uma fórmula mágica, pelo contrário.

Assim como a rotina de acompanhamento de prazos, menções e audiências são fundamentais para a gestão de processos, o mesmo deve ser feito na gestão do seu marketing jurídico: estabelecer rotinas.

E aqui posso mencionar 4 fatores que são essenciais para escalar a sua divulgação de serviços jurídicos na internet: testes, análise, otimização e constância.

Hoje nós iremos dar um passo adiante no assunto. Considerando que você já está iniciando suas ações de marketing jurídico ou está se planejando para isso, irei te apresentar alguns insights super relevantes que irão te auxiliar durante o caminho. 

Vamos lá?!

1- O Inbound Marketing é extremamente indicado para o seu nicho

Conhecido como marketing de atração, o inbound marketing busca “encantar” o seu público por meio de um conjunto de estratégias. 

Assim, essa técnica auxilia o potencial cliente (que aqui chamamos de lead) na descoberta de sua dor, fazendo com que ele inicie uma jornada que tende a ser finalizada com uma solicitação de contato. 

Diferentemente do outbound marketing que é conhecido como marketing de interrupção (e já foi bastante utilizado pelas marcas em comerciais de rádio e tv), o inbound busca atrair o consumidor e fazer com que parta dele a iniciativa de manter um relacionamento com a marca.

A principal estratégia do inbound é educar seu público-alvo por meio de conteúdos que agreguem valor e que sejam relevantes, auxiliando-os na descoberta do problema que o seu serviço poderá resolver.

E porque essa metodologia que faz parte do marketing jurídico é extremamente indicada para quem advoga?

Simples: você vai atrair potenciais clientes para o seu negócio, pessoas que já têm uma dor que a sua advocacia pode resolver!

Aqui você alcança quem realmente é interessado no que você faz e ainda gera relevância e autoridade para o seu negócio.

O funil de vendas é o conceito aplicado no inbound marketing que demonstra todas as fases que o cliente percorre até se sentir pronto para adquirir o seu produto ou serviço. São elas:

Topo de funil: Quem está no topo do funil, ainda está na fase de aprendizado e descoberta, o que significa que ainda está descobrindo sua necessidade a ser resolvida. Nessa fase, o conteúdo do advogado deve atrair e despertar a consciência sobre o problema.

Meio de funil: Quem se encontra nesta etapa, tem consciência do problema, mesmo que não saibam como resolvê-lo. Aqui, o advogado tem a função de produzir um conteúdo informativo, com dicas que ajudem a entender o que precisa ser feito.

Fundo de funil: Por fim, aqueles que se encontram no fundo do funil, já estão plenamente conscientes do problema e em um um bom grau de maturidade para conversar com o advogado sobre o que fazer no caso em questão. Nesse estágio, é interessante dispor de conteúdos que reforcem a credibilidade do profissional e que o posicionem como referência na área, como cases e depoimentos.

E quais formatos de conteúdos podem ser utilizados no funil de vendas?

Existem infinitas possibilidades de formatos de conteúdos, como posts em sites ou blogs, ebooks, webinars, vídeos, landing pages, e-mail marketing, podcasts, infográficos, entre outros. 

Para se aprofundar no tema, sugiro a leitura deste artigo.  

2- Ferramenta de marketing não é estrátegia de marketing

É muito fácil se confundir neste sentido. 

Como muitos profissionais têm usado as redes sociais, o WhatsApp e demais meios para divulgar os seus serviços jurídicos, alguns advogados se enganam ao pensar que as ações de marketing e de divulgação se baseiam somente no uso dessas ferramentas.

Não confunda ferramentas de marketing com estratégia de marketing. Criar um perfil no Instagram porque vários advogados estão por lá só será uma vantagem se você tiver um plano de ação por trás disso. 

Estudar qual é sua persona, quais os assuntos que lhe interessam, organizar as suas informações, produzir conteúdos de qualidade são etapas de um planejamento que deve ser executado antes de qualquer coisa. 

Fazer porque fulano está fazendo, querer alcançar números por vaidade mas sem se basear em uma estratégia é pura perda de tempo e dinheiro. 

Todas as ferramentas de marketing são super válidas e podem ser grandes aliadas do seu negócio, desde que você as utilize em seu favor.

E aqui vai uma dica importante: mesmo que você terceirize o seu marketing jurídico para um prestador de serviços, busque sempre entender o básico da parte operacional e estratégica de cada ação de marketing que está sendo executada. 

Um bom gestor precisa desenvolver um olhar macro para entender cada elemento que pode contribuir com os objetivos do seu negócio.

 

3- Entenda como é o ciclo de vendas do seu negócio 

Segundo estudos da revista Harvard Business Review, cerca de 50% das organizações com vendas de alto desempenho admitem ter ciclos ou “processos” de venda definidos e monitorados.

Mas o que é exatamente um ciclo de vendas e porque ele é importante na advocacia?

Embora seja confundido com o funil de vendas (já que ambos possuem características parecidas), é interessante olhar para a metodologia do ciclo de vendas como um processo que pertence à sua rotina comercial.

Enquanto o funil de vendas é um conceito que vai nortear sua produção de conteúdo jurídico de acordo com o estágio em que um potencial cliente possa estar, o ciclo de vendas refere-se à estratégia de prospecção e vendas, que vai utilizar conteúdos para nutrir o lead, mas também pode contar com um sistema de CRM, automação de WhatsApp e diversas outras ferramentas que otimizam esse processo. 

Os 5 estágios do ciclo de vendas são consciência, consideração, compra, pós-venda e advocacia da marca. 

Para exemplificar, vamos observar a dona Maria, uma segurada do INSS de 58 anos e que é contribuinte há pelo menos 35 anos. Dona Maria está querendo mais informações sobre uma possível aposentadoria. 

Consciência: etapa inicial em que a segurada desperta para a necessidade de buscar mais informações sobre sua aposentadoria. Os conteúdos de topo de funil são necessários neste momento. 

Consideração: aqui a dona Maria já entendeu que precisa contar com um advogado previdenciário para ela conseguir uma aposentadoria mais vantajosa. 

Ao receber o contato dessa potencial cliente, o profissional deve se diferenciar de outros advogados, seja por meio do seu atendimento, condições de pagamento, habilidade, etc. 

Compra: momento em que a dona Maria decide fazer um planejamento previdenciário com o advogado X, pois esse profissional possui os atributos que mais lhe agradaram. 

Pós-venda: etapa importantíssima e muito negligenciada durante o ciclo de vendas. É no pós-venda que o advogado deve explicar como funcionará o atendimento ao cliente daqui pra frente (como pedidos de andamento de processos, assuntos financeiros e outros). 

Além disso, é nesta etapa que apresentamos uma pesquisa NPS para entender o que esse cliente achou da experiência de contratação de serviços jurídicos, sugestões e melhorias. 

Advocacia da marca: aqui a dona Maria se torna uma promotora da marca do advogado/escritório. Programas de indicações podem ser desenvolvidos nesta etapa, sempre prezando pelo relacionamento com o público que pode trazer novas oportunidades para o seu negócio. 

São momentos distintos dentro da prospecção e fechamento de contratos, e isso não quer dizer que o ciclo irá ocorrer sempre nesta sequência. Clientes mais preparados podem interromper estágios iniciais e já partirem para a compra. 

De todo modo, é importante estruturar o processo e analisar os resultados que virão a partir dele. 

4- Busque dar atenção para o reconhecimento de sua marca 

Uma marca jurídica tem o potencial de trazer clientes e gerar negócios.

Sabe por quê? Porque a marca jurídica é que constrói valores intangíveis que são verdadeiros diferenciais na escolha de um profissional da advocacia, tais como:

  • credibilidade;
  • autoridade sobre um assunto;
  • admiração;
  • identificação;
  • confiança;
  • desejo de conexão/pertencimento;
  • e vários outros.

Muito além da logomarca e identidade visual (que são elementos importantíssimos), o reconhecimento de marca tem mais a ver com a maneira em que o advogado se posiciona.

Qual proposta de valor você deseja entregar para as pessoas que buscam serviços jurídicos? 

Mais do que números de seguidores e engajamento, o seu reconhecimento da sua marca é o resultado dos atendimentos que você dá, das avaliações que recebe, do número de contratos que fecha. 

Trata-se de um processo muito mais orgânico e do dia a dia, rotinas que darão frutos a longo prazo. 

5- Evolua sua advocacia com a MaxJus!

Você está precisando de ajuda para aumentar a visibilidade dos seus serviços jurídicos na internet?

E se eu te dissesse que, com menos de R$50 por mês é possível se posicionar como autoridade em sua área de atuação e captar a atenção das pessoas? 

O principal objetivo do marketing jurídico é fortalecer a imagem do advogado por meio de estratégias que já são utilizadas no marketing digital de diversos segmentos, só que com os critérios e cuidados permitidos pelo Código de Ética da OAB.

A plataforma da MaxJus é uma ferramenta que facilita muito o processo de encantamento de clientes através de conteúdos jurídicos, além de captar dados de contato para advogados que buscam novas oportunidades e fechamentos. 

Clique aqui e conheça nossos planos de assinatura

 

Comentários