Blog

SEO para marketing jurídico: o que um advogado precisa saber?

SEO para marketing jurídico: o que um advogado precisa saber sobre SEO

O SEO para marketing jurídico pode parecer um tanto quanto técnico demais para um advogado que dá seus primeiros passos no marketing digital. Mas quando se entende o quanto o Google, as redes sociais e as plataformas agregadoras de conteúdo em geral são importantes, o SEO se torna indispensável.

Saber sobre SEO é saber falar a língua dos algoritmos que regem a Internet, então você não pode deixar de aprender sobre isso.

Neste artigo, preparamos noções básicas para um advogado entrar no mundo do SEO para marketing jurídico. Acompanhe a leitura!

Entrando no mundo do SEO para marketing jurídico

Afinal, o que é SEO? E por que um advogado precisa se importar com isto?

O SEO (Search Engine Optimization) é um conjunto de técnicas que facilitam o posicionamento de sites e blogs no Google. As técnicas de otimização para mecanismos de busca ajudam seu blog e site a “ranquear” (aparecer em boas posições) no Google, aumentando as chances de ser encontrado, e reforçando a sua autoridade ao fazer com que você apareça no topo do Google, o que mostra que é um profissional bastante procurado.

Além disso, o SEO aplicado à redação dos seus blog posts ajuda seus conteúdos a “dominarem” o Google, o que é excelente para fortalecer a associação do seu nome com os serviços que você presta.

É o que acontece quando uma pessoa pesquisa por um tema (por exemplo: uma doença ou um procedimento médico específico) e encontra diversos conteúdos sobre ele, todos publicados por um mesmo médico.

Esses resultados vão formar a percepção de que o autor do texto é uma autoridade naquele tema.

Entendendo os diferentes tipos de SEO

O SEO que diz respeito à programação do website é o SEO técnico. A “modelagem” do site precisa estar otimizada conforme regras de SEO. Isso começa pela escolha da hospedagem, a plataforma e o provedor do site.

O SEO que diz respeito ao conteúdo textual do seu site é o SEO de conteúdo. Ele envolve um planejamento de palavras-chave para a página inicial e para cada página do site; além, também, da metadescrição de cada página e slugs/URLs com boas palavras.

Por fim, temos o SEO dos blog posts. Cada post do seu blog deve ter o seu SEO próprio, com palavras-chaves muito bem coordenadas. Ferramentas como o plugin Yoast SEO pode ajudar a melhorar a composição das palavras chaves, a frequência e lugar em que elas aparecem no seu texto.

Entendendo a natureza sempre mutável do SEO

Dominar SEO é falar a língua do algoritmo, basicamente. É importante entender como os algoritmos do Google e das redes sociais funcionam para saber jogar esse jogo.

E o Google está sempre aperfeiçoando seus algoritmos, pois está sempre em busca de prover as melhores informações para seu usuário, e assim, manter-se como o mecanismo de busca número 1.

Durante muito tempo, o algoritmo de busca buscava por um determinado padrão de palavras usadas e repetidas em seções estratégias dos textos, o que fazia com que muitos redatores produzissem de modo quase que robótico.

Aliás, o adjetivo “robótico” descreve bem a situação que se sucedeu após muitos profissionais terem compreendido o funcionamento do algoritmo.

Viu-se o surgimento de softwares e outros mecanismos de produção de conteúdo ajustados para SEO; ou seja: muitos textos sequer eram escritos por seres humanos!

Percebendo isso, o Google novamente aperfeiçoou seu sistema de busca.

Hoje, em 2022, vemos que seu algoritmo está “treinado” para priorizar conteúdos mais humanos, com escrita natural, clara, legível e acessível, rejeitando conteúdos que trazem gramática duvidosa e repetições abusivas de keywords (palavras-chave).

O Google também gosta bastante de conteúdos longos, pois entende que a chance de esses conteúdos terem mais informação relevante são melhores.

Outra coisa que o Google gosta é de conteúdos cheios de perguntas e respostas. Afinal, é comum que o usuário digite perguntas na barra de busca do Google. Se o seu conteúdo tem essa mesma pergunta, e uma resposta logo em seguida, é alta a chance de que o Google indique essa resposta e direcione o usuário ao seu texto.

Escrita jurídica e SEO para marketing jurídico: como ser compatível?

A linguagem jurídica é caracterizada pelo uso de termos complexos e bastante específicos.

Também são usados muitos termos em latim (“ad hoc”, “causa mortis”, entre outros); ou ainda, termos da língua portuguesa que são usados com conotação diferente (por exemplo: “prescrição”, “alimentos”).

Porém, a menos que a sua intenção seja atrair estudantes de Direito e juristas para seu blog ou site, é preciso ter em mente que o uso excessivo de “juridiquês” não é uma boa estratégia de SEO.

Afinal, seu conteúdo precisa transmitir seriedade, conhecimento e credibilidade – mas também é importante que ele seja acessível.

O excesso de expressões jurídicas pode dificultar o ranqueamento do seu site no Google, pois o algoritmo pode classificar seu texto como sendo técnico ou segmentado demais.

Dificilmente um usuário que precisa de orientação jurídica vai procurar no Google por uma expressão como “ação de nunciação de obra nova”, por exemplo; é mais provável que ele procure por “meu vizinho está construindo no meu terreno”.

Por isso, seja moderado no uso de expressões jurídicas e evite uma linguagem muito rebuscada – a menos, é claro, que isso se justifique pelo público alvo que você pretende alcançar.

É importante escrever de forma clara, explicando as situações e conceitos jurídicos de várias formas e ângulos diferentes para facilitar a compreensão do leitor, inclusive fazendo uso de estratégias de LSI (Latent Semantic Index), com o uso de várias palavras que remetam ao mesmo significado.

 

Sobre o autor

Alexandre de Souza Teixeira é Head e Sócio Fundador da In Company e especialista em marketing jurídico há 16 anos. Para conhecer mais sobre o trabalho do Alexandre, acesse seu site clicando aqui!

Comentários